HISTÓRIAS DE ALPENDRE

O Vaqueiro Que Não Sabia Mentir


Era uma vez um fazendeiro muito rico. O fazendeiro tinha dois orgulhos. Primeiro, seu boi Barroso, o maior, o mais forte, o mais bonito, o animal mais valioso de toda a região do Seridó. Segundo, um vaqueiro que trabalhava na fazenda. O moço era de confiança. O moço não sabia mentir. O fazendeiro costumava dizer:
- Por esse eu ponho a mão no fogo! Esse só mente pra mim no dia de São Nunca!

O povo caçoava:
- Todo mundo mente! Vai esperando. Um dia esse vaqueiro ainda lhe passa a perna!

Mas o fazendeiro discordava:
- Não tem como! Confio nele demais. Tanto é verdade que deixo meu boi de estimação na mão dele. Só aquele moço pra cuidar do boi Barroso, o meu bichinho adorado, aquela joia cheia de carne, que muge, tem dois chifres e quatro patas.

Um dia, o fazendeiro vizinho, um sujeito malvado e invejoso, resolveu acabar com aquela história. Foi visitar o outro e veio com essa:
- Quer valer quanto? Aposto um saco cheio de dinheiro, como faço aquele moço safado contar uma mentira da grossa.
O fazendeiro não pensou duas vezes:
- Tá apostado! – disse, estendendo a mão para selar o compromisso.

Mas o tal vizinho tinha uma ideia na cabeça. Voltou para sua fazenda e já foi chamando a filha. A moça era uma flor de tão linda.
- Você vai me ajudar a fazer aquele danado mentir.
E contou qual era o plano. A moça ficou assustada:
- Pai! Isso eu não faço não!
O fazendeiro não era de brincadeiras. Mandou a filha fazer e pronto. A moça gritou:
- Não vou!
O fazendeiro insistiu. E a moça:
- Não quero!

Mas aquele fazendeiro era mau. Tanto falou, tanto fez, tanto bateu, tanto maltratou que a filha, no fim, não teve jeito.
E assim foi.

Um dia, o vaqueiro que não sabia mentir estava longe, no pasto, tomando conta do boi Barroso, quando a moça apareceu.
Veio toda cheirosa, usando um vestido de flores do campo.
O vaqueiro achou a moça muito bonita.
- Vaqueiro, preciso falar com você!
E a moça, fazendo o que o pai tinha mandado, disse que gostava do moço.
O vaqueiro estranhou.
- A gente nem se conhece!

A moça chegou perto. Naquele dia, os dois só conversaram.
Passou o tempo.
A moça apareceu de novo. Veio toda cheirosa, usando um vestido de conchas do mar.
O vaqueiro achou a moça muito linda.
- Vaqueiro, preciso falar com você!

E a moça, fazendo o que o pai tinha mandado, disse que não conseguia tirar o moço da cabeça.
O vaqueiro ficou sem jeito, mas gostou.
A moça chegou mais perto. Naquele dia, os dois se abraçaram.
Passou o tempo.

A moça apareceu de novo. Veio toda cheirosa, usando um vestido de estrelas do céu.
O vaqueiro achou a moça mais linha do que tudo.
- Vaqueiro, preciso falar com você!

E a moça, fazendo o que o pai tinha mandado, disse que queria namorar o moço.
O vaqueiro já estava apaixonado pela moça.

Naquele dia, os dois namoraram o dia inteiro.
Na despedida, fazendo o que o pai tinha mandado, a moça pediu:
- Agora quero uma prova de amor!
Os olhos do vaqueiro brilharam.
- Por você moça, eu faço tudo!

A filha do fazendeiro segurou o moço pelos ombros:
- Então mate o boi Barroso!
O rapaz estremeceu.
- Mas o Barroso vale ouro! – disse ele. – É o maior, o mais forte, o mais bonito, o mais valioso animal de toda a região do Seridó. Peça outra coisa, moça bonita! Peça tudo, menos isso!

Mas a moça só queria saber do boi.
- O boi Barroso é o xodó do meu patrão!- gritou o vaqueiro.
A moça por dentro chorava. Mas por fora ficou firme:
- É por isso mesmo! – disse ela. – Essa vai ser a prova de seu amor!
O moço examinou a moça e balançou a cabeça. Depois, puxou a peixeira da cinta e matou o boi Barroso ali mesmo.

A moça foi embora. Chegou a casa chorando. Contou tudo para o pai.
O malvado caiu na gargalhada. No outro dia, foi visitar a fazenda do vizinho, já chegou caçoando:
- Cadê meu saco de dinheiro?
O outro não entendeu:
- Como é que é isso?

E o recém-chegado:
- Vim cobrar minha aposta, ué!
O fazendeiro estranhou.
- Cobrar a troco de quê?

E o malvado:
- Pois chame o tal vaqueiro de sua confiança.
O fazendeiro mandou chamar. O moço veio de cabeça baixa e chapéu na mão.
O fazendeiro malvado só ria:
- Diga a ele, vaqueiro. Conte que fim levou o famoso boi Barroso.

O fazendeiro malvado achava que o vaqueiro que não sabia mentir dessa vez ia mentir, mas o vaqueiro, puxando uma viola, cantou:

EU ESTAVA NO MEU CANTO
UMA FLOR SAIU NO CHÃO
CRESCEU E FEZ UM PEDIDO
QUE RASGOU MEU CORAÇÃO

PEDIU QUE EU MATASSE O BOI
AQUELE BOI FABULOSO
AQUELE BICHO JEITOSO
O FAMOSO BOI BARROSO

EU DISSE QUE NÃO PODIA
ELA DISSE QUE QUERIA
EU DISSE EU NÃO DEVIA
ELA FEZ QUE NÃO ME OUVIA

E DISSE MAIS, MEU SENHOR.
VEIO PRA PERTO E FALOU
QUERIA SENTIR FIRMEZA
CERTEZA DO MEU AMOR

EU AMAVA DE VERDADE,
SENTIA AMOR PRA VALER
MAS SE O AMOR É INVISÍVEL
O QUE É QUE EU POSSO FAZER?

PRA PROVAR QUE ELE EXISTIA
MOSTRAR QUE TAMANHO TINHA
COMETI UMA MALDADE
FOI CRIME, FOI CULPA MINHA

EU MATEI O BOI BARROSO
AQUELE BOI AMOROSO
AQUELE BICHO MANHOSO
AQUELE BOI PRECIOSO

FIZ LOUCURA AQUELA HORA
POR ESTAR APAIXONADO
SE ERREI, EU PAGO AGORA
MEREÇO SER CASTIGADO!


O dono do boi ficou louco da vida:
- Mataram meu boi Barroso!
O vizinho ficou de queixo caído:
- O danado não mentiu!

Foi quando surgiu a moça. Veio toda cheirosa, usando um vestido branco. Pediu a palavra. Disse que estava arrependida, Chorou. Contou a verdade. Gritou. Disse que tinha feito tudo obrigada pelo pai.
Ao ouvir isso, o vaqueiro que não sabia mentir ficou tristonho.
Mas a moça continuou.
Confessou que tanto veio, tanto foi, que acabou gostando do vaqueiro. Disse que agora estava apaixonada e queria casar com ele.

E assim acabou essa história.
O fazendeiro malvado pagou a aposta e foi expulso da fazenda, prometendo deixar sua filha casar com o vaqueiro.
O dono do boi Barroso acabou perdoando o rapaz, reconheceu seu valor e ainda deu a ele, de presente de casamento, o saco de dinheiro ganho na aposta.
O vaqueiro que não sabia mentir e a moça bonita se casaram logo depois, numa festança que durou três dias e três noites.

Fonte: Ricardo Medeiros, para OpenBrasil.org
Foto: A/D - Arquivo OpenBrasil.org

Histórias de Alpendre - OpenBrasil.org

Postagens mais visitadas