HISTÓRIAS DE ALPENDRE

Uma Carta Para Você



Numa casinha branca, de portas e janelas azuis, muito simplesinha, perdida no meio da imensidão da caatinga do sertão do Seridó, morava dona Lindalva, seu marido e seus dois filhos.

Certo dia, dona Lindalva estava em sua cozinha preparando o café, encanto o marido e os filhos calçavam as botas, e afiavam as ferramentas para começar a lida no campo. Ainda era muito cedo, o sol ainda não havia quebrado a escuridão do horizonte com sua luz ao nascer.

Quando uma forte luz iluminou aquele lugar, dona Lindalva correu para porta de entrada, não acreditava no que estava vendo, seus filhos e seu marido ficaram paralisados com aquela luz branca e forte. Um perfume de flores se espalhou pelo ar, quando a luz se dissipou, um anjo apareceu, não falou nada, andou em direção a dona Lindalva entregou um tipo pergaminho amarrado com uma fita azul.

No mesmo momento o anjo desapareceu, dona Lindalva abriu, para ver o que estava escrito, como não sabia ler, pediu para seu filho mais velho ler.
Com a voz embargada pelo acontecido, leu em voz alta para todos.

“Cara irmã Lindalva, hoje ao entardecer, eu irei a sua casa visitar você e sua família.

Cordialmente Jesus.”


Dona Lindalva mal podia acreditar no que acabara de escutar, Jesus naquela humilde casinha do sertão. Era um misto de euforia e preocupação.
Uma alegria sem tamanho receber o próprio Jesus em sua casa, e uma preocupação, o que oferecer para tão ilustre visita, na casa não tinha nada para oferecer a Jesus, dona Lindalva muito nervosa catou algumas moedas e foi a pé até a venda mais próxima de sua casa, que nesse caso ficava a cerca de 1 léguas, ou seja 6 km do sítio onde residia.

Chegando na pequena venda, comprou 3 pães, seguiu caminho de volta a sua casinha.

Pouco mais à frente, uma mulher, maltrapida e suja pediu algo para comer e beber, pois estava com muita fome e sede. Dona Lindalva deu um dos pães, e sua muringa com pouco de água que trazia para enfrentar a longa caminhada, para a pobre mulher, ela agradeceu e partiu pelo caminho inverso.

Já chegando na metade do caminho de volta, uma senhora sentada debaixo de um frondoso pé de juazeiro, lhe pedi uma esmola, dona Lindalva sem ter o que oferecer, entregou o penúltimo pão da sacola, a senhora agradeceu, e permaneceu sentada no mesmo lugar.

Chegando em casa, seu marido lhe pergunta:

- “Comprou o que para oferecer a Jesus? ”
- “Três Pães. Mas dois eu dei de esmola. “Responde dona Lindalva.
- “Você está louca? Jesus vem na nossa casa, e só tem um pão mulher, vergonha! “ Falou o marido num tom ríspido.
Na mesma hora, alguém bate palma no terreiro da casa, eram dois meninos, um paraplégico e o outro seu irmão pedindo algo que comer.

O marido da porta da sala esbraveja:

- “Perdoe. “
- “O que é isso homem de Deus! “ Disse dona Lindalva.

Os meninos já iam embora, quando dona Lindalva entregou o último pão, e algumas roupas em bom estado em que seus filhos não usavam mais.
Seu marido ficou inconformado, com muito ódio da atitude impensada de sua mulher, por não poder oferecer nada a Jesus.

Todos estavam aguardando a visita de Jesus, a tarde foi passando e a noite chegando e nada. Logo o marido de dona Lindalva mostra seu descontentamento.

- “Claro que Jesus não vai vim! Falta de respeito com Jesus, vamos servir água fria do pote e mais nada. ”
Dona Lindalva ficou calada, seus filhos entre olharam.

Ao cair da noite, por volta das 6 horas, novamente uma forte luz apareceu, um anjo entregou um novo pergaminho amarrado com uma fita vermelha na mão de dona Lindalva.

-“Que Deus os abençoe. “ Falou o anjo com uma voz doce e suave, logo em seguida desapareceu.

Dona Lindalva entregou novamente para seu filho mais velho ler.

“Cara irmã Lindalva,
Vós me destes comida, quando tive fome.
Vós me destes de beber, quando tive sede.
Vós me deste o que vestir, quando precisei.

Quem dá aos pobres não viverá em necessidade.
Quem dá aos pobres empresta a Deus.
Amar o próximo é agradar a Deus.

Meu coração está cheio de alegria e contentamento por tuas obras e por teu amor por mim.

Obrigado, minha irmã.

Do seu irmão que te ama Jesus."


O marido caiu aos prantos de joelhos, e entendeu o verdadeiro significado quando Jesus disse: Amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros (Jo 13,34).

E se envergonhou profundamente e pediu perdão, pois ele tinha negado o que comer ao próprio Jesus que esteve em sua porta.
Deus por muitas vezes age por meio das pessoas, testando os bons corações, as boas ações.

Fonte: Redação OpenBrasil.org
Foto: A/D - Arquivo OpenBrasil.org

Histórias de Alpendre - OpenBrasil.org

Postagens mais visitadas